Famíla se muda do Brasil e leva junto os 12 animais domésticos

26/01/15 em Internacional, Notícias   |  Nenhum comentário

Marina Matamoros decidiu deixar o país no final de 2014. Formada em hotelaria, a jovem organizou a mudança junto com a mãe, o irmão e a cunhada. O grande porém é que também faziam parte da família cinco cachorros e sete gatos. Claro que levar a turminha sempre fez partes dos planos e foi preciso muito cuidado com o transporte. “A ideia surgiu para fugir da violência e descaso do Brasil. Mas nunca iríamos sem eles”, conta.

O primeiro passo foi conhecer as leis do outro país e planejar o conforto da viagem. “Para começar, ligamos para a prefeitura de Barcelona e perguntamos sobre a possibilidade de levar os 12 animais. A resposta foi positiva, desde que a casa tivesse determinada dimensão que os atendesse, todos estivessem saudáveis, não ficassem muitas horas sozinhos e fossem cadastrados no censo da prefeitura”, lembra.

Com a principal dúvida resolvida, Marina iniciou os procedimentos legais do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de São Paulo. Os pets precisavam ser vacinados e passar por acompanhamento. “ Há uma quarentena de 90 dias. Antes do embarque são novamente avaliados e, estando saudáveis recebem o atestado veterinário de saúde. Só assim poderiam ter o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI)”, explica.

Além da documentação, era preciso planejar os custos do transporte, já que os valores eram altos e passariam dos R$ 40 mil. “Toda essa parte não pôde ser parcelada e ainda havia a mudança em si, passagens, etc. Dividimos os custos e até empréstimos fizemos”.

Transporte

A preocupação com a saúde dos animais após o vôo fez com que Marina ficasse apreensiva. Parte da família foi antes para receber os animais na Europa, a jovem ficoou para embarcar os cães e os gatos em etapas. Ao todo, foram três desembarques e uma maratona de seis horas até a liberação dos últimos animais.

“O coração ficava super apertado. Quando finalmente os encontrei caí no choro, pois dá uma angústia a espera, até ver que todos chegaram bem. E todos chegaram, felizmente”, explica, emocionada.

Abandono

Deixar os animais para trás nunca foi opção. A protetora animal conta que não teria realizado a mudança se eles não pudessem ir. “Não acredito que a pessoa possa começar algo novo fazendo o mal.

Como um recomeço de sorte a partir de um abandono? Que felicidade a covardia, sofrimento e morte pode alcançar?”, questiona a jovem.

Fonte: Jus Brasil

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *